Federação Columbófila Brasileira

Formas de Respiração dos Pombos


Primeiramente, tem-se a dizer que  o “motor” do pombo é o seu sistema respiratório, tudo, absolutamente tudo  começa aqui.

O desempenho está diretamente relacionado à eficiência dos sistemas respiratório e circulatório, para que ambos possam atender às altas exigências de energia impostas durante o voo.

Por exemplo, durante o treinamento normal em torno do loft, o consumo de oxigênio dos pombos pode aumentar até 15 vezes, e pode aumentar até 30 vezes no caso em que eles o fazem com o vento contrário.

Estas cargas massivas no requisito de energia só podem ser absorvidas corretamente se partirmos da base de excelente saúde e boa forma.

Uma doença respiratória que envolva os pulmões e os sacos aéreos afetará seriamente o desempenho esportivo, não apenas pelo fato de prejudicar o suprimento de oxigênio, mas também pelas áreas de produção de energia (fígado, músculo, etc.). Eles serão afetados.

Problemas respiratórios que afetam os sacos aéreos reduzem o desempenho porque o suprimento de oxigênio e a capacidade de descarte de produtos residuais serão prejudicados.

As cãibras musculares resultantes impossibilitarão que o pombo possa voar.

Quando uma infecção respiratória inflama a cavidade nasal e o trato respiratório superior, o organismo do pombo perde uma parte importante da capacidade de controlar a considerável produção de calor gerada durante o voo.

Com certas infecções respiratórias, o primeiro sinal que podemos notar é a presença de suspiros durante ou após um treino.

A ofegante é um mecanismo que é colocado para dissipar o excesso de calor rapidamente.

Também é possível observar um movimento ondulatório do pescoço ou barbela (uma forma de ofegar) em pombos com excesso de calor (isso é conhecido como bater do saco ou saco gular). Infelizmente, durante a respiração, o corpo fica desidratado, pois perde tanta água quanto o calor.

Também é possível que possamos ver como as pombas ofegantes ainda não desenvolveram condições físicas ótimas, especialmente se elas treinarem no início da manhã, no final da tarde ou com muita intensidade em volta do loft.

É importante que o produtor saiba diferenciar entre os tipos de suspiros visíveis em pombos saudáveis ​​e aqueles causados ​​por infecções respiratórias.

REVISÃO DA CAVIDADE ORAL E NASAL.

A cavidade nasal é conectada à boca por meio da fenda coanal (coana ou fissura palatina).

Muitos fãs prestam atenção especial a esta área durante a temporada do concurso.

Um estreitamento desta “fissura” quando há uma infecção na cavidade nasal, reflete com precisão a inflamação presente ao longo do trato respiratório superior.

Obviamente, a inflamação nessa área afetará a capacidade de regular a temperatura e a umidade da cavidade nasal, resultando em menor desempenho esportivo.

Inchaço dos protetores de ouvido ou orelhas, irritação dos olhos e excesso de espuma na garganta são sinais óbvios de infecção do trato respiratório.

O oposto também é verdadeiro, e eu concordo com os fãs que acreditam que uma fenda totalmente aberta denota um pombo que está em plena forma.

As vias aéreas superiores têm as narinas, que estão associadas à cavidade oral, pelas orelhas.

As orelhas estão imediatamente sob o olho e quando estão localizadas, bactérias ou parasitas (por exemplo: tricomonas), são difíceis de sair de lá.

Portanto, não há tratamento localizado, no olho ou nas narinas, que possa resolver completamente o problema.

A doença ou ainda mais, os pobres desempenhos esportivos que ocorrem, exigem a consulta de um veterinário competente.

A garganta do pombo

Na garganta do pombo encontramos um dos indicadores do estado de forma dos mesmos mais desconhecidos pela maioria dos cultivadores e ainda um dos fatores essenciais de sua anatomia, objeto de estudo.

Localizado na parte superior interna da garganta da pomba, há uma cortina carnuda.

Este tipo de membrana é um indicador eficaz do poder de respiração do pombo e onde o esforço extremo pode deixar marcas que indicam ao agricultor que o pássaro sofreu estresse agudo esportivo.

Se levarmos em conta que aqui, através da garganta, todo o oxigênio que a ave requer para a competição, caminho dos pulmões e, finalmente, para o fluxo sanguíneo, não é de surpreender que renomados columbófilos tenham estudado durante anos essa parte essencial de a anatomia dos pombos e sua importância no trânsito respiratório correto durante os esforços esportivos.

Como é sabido de todos, os pombos são aves capazes de percorrer grandes distâncias a uma velocidade considerável, sem descanso e sem atingir um estado de extrema deficiência de oxigênio, graças a um sistema respiratório aeróbico exclusivo entre as aves.

Isto é: coordenação do ritmo respiratório com a frequência do flutter, para cada flutter ocorre uma respiração.

O pombo que flutua 8 a 10 vezes por segundo irá realizar o mesmo número de respirações também por segundo, ao contrário de outras aves que respiram apenas uma vez a cada 3 ou 4 palpitações.

Se lembrarmos que um pombo pode bater 35.000 vezes em apenas uma hora, a taxa de respiração e o consumo de oxigênio devem ser feitos em alta velocidade e em perfeita coordenação com todos os órgãos envolvidos: vias respiratórias, air bags, lungos e sistema circulatório.

É por isso que é tão importante que o pombo possa respirar corretamente se esperamos que ele obtenha ótimos resultados.

Um pombo com deficiências respiratórias não será capaz de suprir seu corpo com oxigênio suficiente para vencer.

E é nesse ponto que a importância de observar e interpretar o estado da garganta da ave é compreendida.

A partir da observação contínua ao longo do tempo, obteremos dados específicos sobre o estado da ave, possíveis estados de estresse ou outros problemas.

A cor da garganta deve ser perfeita e não irritada para que o ar passe facilmente para a laringe.

Da cortina acima mencionada importa mais que eles não estejam amassados ​​ou muito afastados uns dos outros que estão um tanto separados ou fora do gancho.

Eles devem ser organizados em linha reta e ter ambas proporções semelhantes.

Durante a época do acasalamento ou a muda ou qualquer outra causa de alteração ou estresse, é desaconselhável observar a garganta, porque durante esses períodos ela será afetada por tal excitação ou em pombinhos jovens, com menos de seis meses de idade.

Para fazer esta observação a ave deve estar previamente no máximo descanso e relaxamento.

Existem três pontos que tentaremos avaliar:

A separação e queda direta entre as cortinas da garganta. A separação deve ser semelhante à de um cabelo, uma separação maior indicará qualidade inferior.

A cor deve ser rosa o que é ideal e deverá  considerada.

Possíveis marcas na cortina demonstrará a existência de linhas horizontais leves, o que tudo indica que o pombo encontra-se com  estresse.

Interpretação confiável do status do pombo através de sua garganta requer paciência, habilidade e observação do produtor, que terá outro elemento a considerar ao avaliar a qualidade de um pombo em particular.

Fonte: Estudos científicos/técnicos variados

Você pode gostar também...