Federação Columbófila Brasileira

Campeão nacional, pombo de Casa Branca voou 488 quilômetros em 6h


Campeão nacional, pombo de Casa Branca voou 488 quilômetros em 6h

Competição em Aracaju reuniu 250 pássaros do Brasil e outros 3 países. ‘Pássaros atletas’ tem alimentação especial e treino diário em pombal.

Um pombo de Casa Branca (SP) é campeão nacional de columbofilia, a prática de criar pombos correio para disputas. A ave voou 488 quilômetros na competição realizada em outubro, em Aracaju (SE), que reuniu 250 pássaros do Brasil e de outros 3 países.

O pombo correio pode voar até 800 quilômetros em um só dia e consegue voltar para o local de origem mesmo anos depois da saída. Isso acontece graças a um sistema de orientação que eles têm no cérebro.

“Tive pombo que voltou depois de 5 anos. Ele provavelmente deve ter ficado em algum pombal e posteriormente escapou. Ele tem uma ‘bússola’ no seu cérebro que ele usa para fazer a navegação, que é típico das aves migratórias também. Então às vezes ele usa o campo magnético da terra para poder se orientar, às vezes o sol, então dependendo do clima ele usa esse mecanismo que é nato dele”, afirmou o criador de pombos Agnaldo Inácio.

Pombo correio na história
Por causa dessa habilidade, por centenas de anos o pombo correio foi fundamental pra se comunicar a longas distâncias. No fim do século 19 na Europa, por exemplo, militares em campo de batalha prendiam na ave uma cápsula com mensagens para que elas chegassem até os quartéis.

“Não tinha essa facilidade que tem hoje de comunicar. Um exemplo, um soldado estava em guerrilha e acabava a munição. Eles colocavam um bilhetinho pequeno no pombo dizendo: ‘está faltando munição’ e soltavam.  Ele vinha para o pombal dele que era no exército e eles providenciavam mais munição”, explicou o criador de pombos Valter Fidelis.

Campeão nacional
Assim como Agnaldo e Valter, o criador Gilberto Cassiolato faz parte da Associação Casabranquense de Columbofilia. No campeonato brasileiro deste ano, realizado na cidade de Aracaju (SE), no dia 15 de outubro, ele ficou em primeiro lugar na categoria pombo AS.

Ele conta que o animal vencedor voou 488 quilômetros em pouco mais de seis horas. “Tenho a pontuação por classificação, então ele conseguiu uma pontuação maior que todos os outros pombos, então ele é considerado o melhor pombo do campeonato”, disse.

‘Pombos atletas’
Para ter desempenho de atleta, a alimentação das aves tem que ser especial, com ração bem nutritiva e com vários grãos, além de suplemento alimentar, como o açúcar de uva para dar energia. Os pombos também recebem medicação para controle de doenças e pragas.

A gente precisa alimentá-lo e tratá-lo como se fosse um atleta de qualquer outro esporte”
Gilberto Cassiolato, criador de pombos

No pombal de Cassiolato, que fica nos fundos da casa dele, o viveiro tem 250 animais. Vários já foram premiados em competições estaduais e nacionais, resultado de seleção genética das aves e de treino também. Todos os dias ele solta os pombos para que eles possam se exercitar. “A gente precisa alimentá-lo e tratá-lo como se fosse um atleta de qualquer outro esporte”, afirmou.

Clique aqui e assista o vídeo da reportagem

Fonte: TV GLOBO – G1

Você pode gostar também...